primeira viagem internacional
Dicas

8 dicas para organizar a sua 1ª viagem internacional

Viajar o mundo com certeza é um sonho que está na lista de dez entre dez pessoas que pensam em, pelo menos um dia, sair de sua zona de conforto. É a melhor forma de aprender sobre novas culturas, viver experiências únicas e conhecer a si mesmo. Mas e se você nunca tiver viajado para fora? Dá para fazer a tão sonhada primeira viagem internacional sem se embananar quando o avião pousar em terras estrangeiras? A nossa resposta é: claro que sim. Escolhemos esse assunto para estrear o blog, por que queremos fazer deste um espaço que vai te ajudar a viajar mais, melhor e por mais tempo. Preparamos aqui um verdadeiro manual com dicas sobre passaporte, vistos, bagagem, vacinas e dinheiro. Então não perca tempo e confira as nossas 8 dicas essenciais para ajudar você a organizar a sua primeira viagem internacional.

 

1. Passaporte

O primeiro passo obviamente é tirar o passaporte. Vá ao site da Polícia Federal e confira todos os documentos necessários. Atualmente você não precisa mais levar uma foto, pois ela é tirada no local. Faça a sua solicitação preenchendo seus dados (certidão de nascimento ou casamento, título de eleitor, certificado de reservista, etc). Após o preenchimento, será emitida uma Guia de Recolhimento (GRU) no valor de R$257,25. Imprima, pague e automaticamente o sistema vai reconhecer o pagamento. Volte então ao mesmo site para fazer o agendamento, que nada mais é do que a data em que você deve ir à Polícia Federal para apresentar os documentos.

No dia agendado, compareça com os documentos solicitados e a Guia com o comprovante. Após isso a estimativa de entrega é de aproximadamente sete dias. Mas nunca deixe para fazer esse processo muito próximo da data da sua viagem internacional, pois o agendamento em certos casos pode demorar muito – já vi até meses! – ou a entrega pode atrasar decorrente de alguma greve, por exemplo. Nesse caso você pode tentar fazer o processo através de outras cidades.

Vale a pena tambem falar sobre o Passaporte de Emergência. Se a sua viagem internacional está chegando e não dará tempo de adquirir um passaporte pelas vias comuns, é possível comparecer diretamente na Polícia Federal com algo que comprove a viagem internacional de urgência (a passagem já comprada, por exemplo). Nesse caso, preencha um rápido requerimento e o delegado dará a permissão (ou não) para o pedido do seu passaporte. Ainda assim, o procedimento é o mesmo. Você tem que levar todos os documentos e pagar a Guia (que nesse caso é mais cara, R$334,42 se tiver o passaporte antigo e R$514,50 caso não tenha). E mesmo com toda a urgência, o tempo mínimo que exigem segundo o site é de 24h, mas passei por isso e o prazo foi maior, a Polícia Federal do Rio-Galeão informou que não seria possível entregar antes de 48h. E mais, se for em cidades do interior por exemplo, o tempo pode ser maior, visto que o passaporte é confeccionado em outro lugar e deve-se considerar o tempo da entrega.

2. Visto

Alguns lugares solicitam o visto de entrada, como os Estados Unidos e o Canadá, por exemplo. Já em alguns países da América do Sul e da Europa, você pode ir apenas com o seu passaporte (ou carteira de identidade, se o país em questão for membro do Mercosul). No caso dos locais onde o visto é necessário, é preciso ir até a embaixada do país em questão e dar entrada em alguns procedimentos. Nos destinos em que a lei não é tão rígida você pode tirar o visto no próprio aeroporto de chegada, o que geralmente é um procedimento rápido. Consiste apenas em pagar uma taxa e, se necessário, apresentar alguns documentos que expliquem o motivo da sua estadia. Mas fica aqui um alerta: essas regras mudam com frequência, portanto procure checar antes da sua viagem internacional se o seu destino exige visto para brasileiros. Veja a lista de países que exigem visto, e de qual tipo, aqui.

LEIA TAMBÉM: LONDRES EM 4 DIAS – O QUE FAZER NA CAPITAL BRITÂNICA

3. Vacina contra Febre Amarela

Diversos países como Austrália, China e Egito exigem o Cartão Internacional de Vacinação contra a febre amarela. A lista completa dos destinos que fazem essa exigencia você encontra aqui. Para obter um cartão, primeiramente você deve ir a um posto de vacinação comum em sua cidade e pedir para tomar a vacina. Ela é fornecida gratuitamente. Feito isso, mesmo que você não tenha mais aquele seu cartão de vacinas antigo, eles te darão um comprovante. O passo seguinte será obter o Certificado Internacional. Para isso, cheque aqui qual é o posto mais próximo para que você possa ir pessoalmente, com antecedência, e simplesmente mostrar o seu comprovante da vacina e um documento. Com isso eles te entregam o Cartão Internacional. Para adiantar sua espera, é possível fazer um pré agendamento. Mas o que fiz até hoje, e que foi mais fácil para pessoas que recomendei e que moram em cidades onde não têm esses postos, é chegar mais cedo no aeroporto e se dirigir ao posto da ANVISA (Galeão, Guarulhos e Congonhas sei que tem). Lá eles fazem isso na hora! Minhas experiências foram realmente rápidas, mas, é claro, tem que se considerar o horário, filas, greves, etc.

4. Seguro de Viagem Internacional

“Vai que…”, “É melhor ter e não usar”, “O seguro morreu de velho”, “Em alguns países ele é obrigatorio”, “Se você quebrar um braço isso pode te custar 5 mil dólares!”. Esses são alguns dos argumentos que sempre vêm acompanhados da pergunta: vale a pena ter seguro? É subjetivo. Sempre tive e nunca usei, mas… a decisão é sua. Ele não é tão caro e pode te resguardar em diversas situações, como a famosa perda de malas, uma necessidade de consulta ao médico ou mesmo a questão da obrigatoriedade. Em alguns países, como os que pertencem ao Tratado de Schengen, se exige que o turista tenha algum seguro que cubra pelo menos 30 mil euros. Os países pertencentes a esse acordo são: Alemanha, Áustria, Bélgica, Dinamarca, Eslováquia, Eslovênia, Espanha, Estônia, Finlândia, França, Grécia, Holanda, Hungria, Islândia, Itália, Letônia, Lituânia, Luxemburgo, Malta, Noruega, Polônia, Portugal, República Tcheca, Suécia e Suíça. Quatro novos integrantes permanecem em fase de implementação: Liechtenstein, Bulgária, Romênia e Chipre.

LEIA TAMBÉM: PARIS PARA SOLTEIROS – UM ROTEIRO ALÉM DOS TRADICIONAIS PONTOS TURÍSTICOS

5. Bagagem

Passada essa fase chatinha de documentacao chega a hora de arrumar as malas, né? Então vão aqui alguns pontos que têm que ser levados em consideração.

Limite de bagagem

Em geral, as companhias aéreas permitem uma bagagem de mão, que geralmente é uma mochila ou uma malinha dessas pequenas (veja o limite exato no site da sua companhia). Nessa bagagem de mão você deve colocar coisas de valor, como documentos e computador, além de uma muda de roupa para você ter o que vestir, por pelo menos um dia, caso ocorra um contra-tempo, como a sua mala ser extraviada ou demorar a chegar. Mas atenção, nessa mala não pode conter objetos cortantes ou líquidos e sprays com mais de 100mL. Além dessa malinha, você pode levar uma tira colo feminina ou uma bolsa de computador, por exemplo. Mas atenção novamente, é recomendável que você confira essas informações no site da sua companhia aérea, pois essas regras variam muito. Se for uma low cost como a européia Easyjet, por exemplo, você só pode levar um volume, definitivamente. Até uma carteira na mão vão te pedir pra enfiar dentro da bolsa! Acredite, já tive que vestir roupas e esconder carteira nos bolsos pra conseguir embarcar. Como essa mala pequena fica com você na cabine durante o vôo, aproveite e leve um agasalho, um lenço ou pelo menos um par de meias, pois depois que ligam o ar sempre fica frio.

Já para a mala grande, o limite geralmente é de 23kg. E acredite, isso é muita coisa! Normalmente uma mala grande com roupas normais e sem o saco de embalagem a vácuo nem chega a pesar isso. Para voos internacionais partindo do Brasil, o limite geralmente e de 32kg. Mas, mais uma vez, confira essa informação junto à sua companhia aérea, já que essas regras variam de acordo com a empresa, com sua passagem ou até mesmo com o seu destino.

O que levar?

Isso merece um post à parte. Claro que depende muito do seu gosto e estilo, afinal você vai fazer a viagem internacional que sempre sonhou e com certeza vai querer ficar linda(o) nas fotos! Então minha dica é ficar atento ao fato de que você vai andar bastante para conhecer tudo e, para isso, você deve se sentir confortável. Recomento um par de tênis, uma calça leve e blusas brancas, o que eu pessoalmente gosto muito, pois combinam com tudo. E leve alguns lenços pra mudar o look. As dicas para os rapazes fica para próxima, rs. Se for para um lugar que é conhecido por ser muito frio e você está morrendo de medo, não caia na tentação de levar milhares de blusas. Tenha apenas um casaco forte. Se você levar vários agasalhos isso vai ocupar muito espaço na sua mala e vestir várias camadas de roupa definitivamente não é uma boa ideia. Isso por que em países frios todas as construções já são adaptadas a essas condições climáticas. Portanto, toda vez que você entrar em um metrô ou em um bar, vai morrer de calor, já que tudo é aquecido. E, além disso, em muitos locais você já vai encontrar na entrada cabides para que as pessoas deixem ali seus casacos e sobretudos, ou seja, uma peça única e que vai resolver todos os seus problemas.

6. Compras em Free shops

Free shops, ou Dutty Free, são aquelas lojas localizadas no interior de salas de embarque e desembarque de aeroportos, onde produtos são vendidos com isenção ou redução de impostos. Elas são conhecidas por serem bem mais baratas do que no Brasil, o que não é bem assim. Na verdade, só vale a pena ir a um free shop se for para comprar produtos de marca. Isso por que eles costumam vender produtos de grifes famosas, como perfumes, cosméticos, óculos escuros e até mesmo bebidas. Esses sim vêm com bons descontos. No entanto produtos mais comuns no Brasil, como um chocolate, uma cachaça ou um par da Havaianas serão bem mais caros lá. O restante compensa. Mas atenção, se você estiver em uma conexão, ou seja, for pegar um outro voo, não poderá comprar bebidas, cremes e perfumes com mais de 100mL. Como já disse aqui, é proíbido levar líquidos nessa quantidade junto com a sua bagagem de mão. E, nessas conexões, você não têm acesso à sua mala maior. Ou seja, se comprar terá que deixar o produto no momento do embarque. Outro detalhe é sobre o limite em dólares de compras no exterior. Quem viaja de avião para o exteior pode gastar no máximo 500 dólares, sob pena de pagar multa de 50% sobre o valor excedente. No entanto, produtos como celulares, máquinas fotográficas, relógios, roupas, sapatos e cosméticos não precisam ser declarados, pois são classificados como objetos de uso pessoal.

LEIA TAMBÉM: BUENOS AIRES EM 4 DIAS – O QUE FAZER NA CAPITAL DA ARGENTINA

7. Dinheiro

Um mal necessário. Você tem algumas opções:

Trocar dinheiro e levar em espécie

Procure uma agência de câmbio e troque seus reais pela moeda local do seu destino. Ou, se você estiver indo para um lugar mais exótico e a agência não tenha o dinheiro do lugar em questão troque por dólares. Além da cotação do dia, você pagará 0,03% de IOF (Imposto sobre Operações Financeiras). A vantagem disso é a praticidade, afinal dinheiro é dinheiro né? Mas por um outro lado isso também dá oportunidade para que você seja roubado ou até mesmo perca o seu dinheiro. Outro ponto negativo é que pode acontecer de você não conseguir mensurar bem qual a quantia exata que vai gastar. Ainda assim, caso decida por essa opção, evite trocar seu dinheiro em aeroportos, pois, assim como os bancos, eles costumam ter uma cotação menos vantajosa. Outra opção é levar seu dinheiro em reais, assim você evita o risco de voltar com moeda estrangeira que não gastou e ter que revender com o risco de a cotação não estar tão favorável. Mas isso é pra caso de urgência, embora tenha a vantagem adicional de não pagar IOF no exterior. Em todo caso, fique atento, pois existem moedas antigas, mesmo de dólar, que casas de câmbio do exterior não aceitam. Se você pegar uma dessas de troco, o jeito é passar pra frente, pois são válidas no comércio.

Usar o cartão de crédito

O santo cartão de crédito é muito valioso nessas horas. A cotação dele não é das piores, a conversão só é feita no dia que fecha a fatura, não no dia que faz a compra e depois disso o IOF é acrescentado. Lembrando que mesmo depois da fatura paga, pode ser que venha no próximo mês um “restinho” equivalente a variação cambial. E atenção! Antes de usar seu cartão no exterior, ligue pra seu banco avisando que estará fazendo uma viagem internacional, dizendo os dias e os países que visitará. Assim você não corre o risco de ter seu cartão bloqueado por questões de segurança, o que seria uma dor de cabeça tremenda.

Fazer um cartão de viagem internacional

Pra mim foi a melhor opção até hoje, já que o dinheiro tem essa questão de não conseguir mensurar a quantidade certa que vai gastar, enquanto o cartão de crédito já me deixou na mão algumas vezes. Com o cartão de viagem internacional, você deposita seu dinheiro em real numa agência de câmbio aqui no Brasil e fica com um cartão em mãos já com o valor disponível convertido na moeda escolhida. Ele funcionará como um cartão de débito e será aceito praticamente em todos os lugares em que se aceitam outros cartões. Caso queira sacar, pagará uma taxa única por saque de US$2,50 (pode variar). Mas a melhor parte desse tipo de cartão é que, se sobrar dinheiro, você volta para o Brasil e saca o valor de volta em reais. Ou até mesmo em qualquer outro país na moeda local. Nesse caso com taxas extras, mas num aperto já é uma solução. E acima de tudo, recomendo essa opção pela facilidade de alguém do Brasil depositar mais dinheiro pra você em caso de alguma emergência. Isso já aconteceu comigo quando meu cartão parou de passar e, como não tinha mais cash, corri pra minha mãe e pedi que ela fizesse um depósito aqui pra mim. Em poucas horas o valor exato já estava disponível para mim.

8. Dia de embarcar para a sua primeira viagem internacional

 

Verifique se você tem tudo em mãos:

  • Passaporte
  • Cartão de Vacinação Internacional
  • Visto
  • Dinheiro trocado
  • Malas arrumadas

É hora de checar o cartão de embarque ou a passagem, como se dizia. Parece óbvio, mas não é. Sempre confira tudo, pois você pode estar com uma data errada na cabeça, seu relógio pode estar em um fuso horário diferente ou principalmente, como já aconteceu comigo, você por acabar indo para o aeroporto errado. Sim, isso é muito comum, pois às vezes desembarcamos em um aeroporto e daí entendemos que o retorno será pelo mesmo, simplesmente vamos pra lá e… não era! Ou ainda, quando se compra o bilhete por sites de venda de passagens e não tem o agente ali pra te alertar sobre as pegadinhas. Pode acontecer de as promoções serem, por exemplo, com trechos do Rio para Nova York, mas com escala em São Paulo, sendo Rio x Congonhas e depois Guarulhos x Nova York. Ou seja, tem essa troca de aeroportos durante a conexão e você só descobre isso quando está prestes a embarcar e percebe que data, horário e destino estão corretos, mas não vê seu voo nos monitores com informações sobre horários de partida e portões de embarque.

Tendo conferido tudo é hora de planejar a sua ida ao aeroporto. Lembre-se que para voos domésticos é solicitado que você chegue ao aeroporto com pelo menos 2h de antecedência, enquanto que para vôos internacionais o pedido é de 3h. E atenção, o check-in realmente fecha antes do horário. No internacional, por exemplo, acontece 1h antes do horário em que o voo está marcado.

No aeroporto

a) Procure saber antes em qual terminal sua companhia aérea fica.

b) Se dirija ao balcão de check-in da companhia.

c) Faça o check-in entregando seu passaporte. Provavelmente o atendente encontrará o voo para você, mas se tiver o cartão impresso é melhor ainda. Hoje em dia muitas companhias aéreas já disponibilazam o check-in através de máquinas que ficam espalhadas perto de seus balcões. Elas são chamadas de toten. Dessa forma, você só precisa entrar na fila do balcão de chenk-in caso tenha malas para despachar. Nesse caso, assim que a atendente checar seus dados no sistema, coloque sua(s) mala(s) grande(s) na esteira que fica ao lado do balcão. É nesse momento que o peso limite da sua bagagem será verificado. Lembre-se de que você só vai ter acesso a essas malas novamento quando chegar ao seu destino final. Portanto confira se não tem nada de importante ali que vá precisar e se todos seus objetos inflamáveis, cortantes e líquidos estão nela. Tranque tudo com cadeado, coloque uma tag com seu nome e faça alguma marca em cada mala para que possa reconhecê-las de longe.

d) Após o check-in, vá para o portão de embarque, onde terá que apresentar seu passaporte e cartão de embarque novamente. É nesse momento que você vai passar pelo raio X. As regras mudam muito de acordo com cada lugar e tipo de voo, mas geralmente você deverá deixar na esteira a sua bolsa de mão, a bolsa tira colo, e colocar em uma espécie de bandeja seus aparelhos eltrônicos, além de relógio, jóias e bijouterias, chaves, moedas e, em alguns casos, cinto e calçado. Portanto, como tem fila e todos estão com pressa é melhor ir com roupas e calçados fáceis de tirar.

e) Pronto! Feito isso você já está no local de embarque. Procure agora seu portão (gate), mas não confie no que está escrito no cartão de embarque nem no que a pessoa do check in te falou – isso tinha que ser proibido!!! Sempre se conduza pelas televisões que ficam espalhadas pela área de embarque, pois elas são constantemente atualizadas e, pelo menos na minha experiência, em umas 30% das vezes o número do portão mudou. Então corre o risco de você ficar sentadinho lá esperando e seu voo estar já decolando de outro portão. SEEEEMPRE se lembre disso: o portão muda e ninguém te avisa. Então confira de tempos em tempos se está sentado no lugar certo e se não está sendo chamado para o embarque.

f) Por último, chega o momento de entrar no avião. Os funcionários da companhia costumam chamar os passageiros pelo grupo de embarque ou simplesmente pela ordem da fila. Antesa de permitirem seu acesso na aeronave, eles vão conferir de novo o seu passaporte e o cartão te embarque. Com acesso liberado, simplesmente se dirija ao avião e procure por seu assento. Agora é só aproveitar, pois sem dúvida, estará começando um momento inesquecível da sua vida.

Gostou das nossas dicas? Deixe um comentário para a gente dizendo o que achou, se tem alguma dúvida ou simplesmente nos contando como foi a sua primeira viagem internacional. Um beijo!

DEIXE SEU COMENTÁRIO